GO

Nosso evento foi um sucesso!

PALESTRANTES
______________________________________________________________________________________

Adonias de Castro Virgens Filho  
Pesquisador da CEPLAC / BA  
Engenheiro Agrônomo, pesquisador, Doutor e Mestre em Agronomia, Fitotecnia, pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo. Graduado em Agronomia pela UFBA. Especialidade em fisiologia da produção da seringueira pelo CIRAD/IRCA e no desenvolvimento de Sistemas Agroflorestais. Professor de Administração com MBA em Gestão Empresarial ea fundação Getúlio Vargas.  
     
   
Antônio de Pádua Alvarenga  
Pesquisador Científico da EPAMIG / MG  
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV, 1976), mestrado em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1990) e doutorado em Fitotecnia (Produção Vegetal) também pela Universidade Federal de Viçosa (1995). Atualmente é pesquisador na área de seringueira da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e professor colaborador do Departamento de Fitotecnia da UFV na disciplina "cultura da seringueira". É membro-titular da Câmara de Silvicultura do Estado de Minas Gerais, membro-colaborador do Plano Estadual de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas na Agricultura (Plano ABC-MG), consultor técnico em diversos projetos de implantação da cultura de seringueira no Estado de Minas Gerais e colaborador do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). Autor e editor de seis livros, sendo três diretamente ligados à cultura da seringueira: Sequestro de Carbono em Seringueira - quantificação e seringais de cultivo; Aspectos Sociais e Econômicos da Cultura da Seringueira; Seringueira; Indicadores de Sustentabilidade em Sistemas de Produção Agrícola; Conservação de Solos - percepção, conhecimento e adequação do manejo; e Cadeias Produtivas do Complexo Agroindustrial de Florestas Plantadas. É autor ainda de vários artigos científicos, boletins técnicos, apostilas praticas e informes agropecuários. Também é coorientador de teses de mestrado e doutorado da UFV e da Universidade Federal de Lavras (Ufla).  
     
   
CONFEA - Conselho Federal de Engenharia e Agronomia  
A confirmar  
-  
     
   
Cassio Henrique Junqueira Scomparin  
Diretor Técnico da PLANTHEC / SP  
Agrônomo com mestrado em seringueira na UNESP de Jaboticabal, trabalhando na cultura da seringueira desde 1995 em várias áreas de atuação, dentre elas: gestão, controle de pragas e doenças, manutenção de seringal, pesquisa em várias áreas ligadas ao cultivo da seringueira (melhoramento genético, explotação, solos, fertilização, irrigação, etc), assim como em gerenciamento de campo em plantações industriais e performance operacional. Iniciou sua carreira na Plantações E. Michelin (MT), onde esteve por 8 anos, tendo sido gerente agrícola por 5 anos nessa plantação (4,5 milhões de árvores / 10.000 hectares). Integrou e coordenou o Departamento Agrícola da Michelin, em Clermont Ferrand (França), onde coordenava a estratégia das plantações de seringueira do Grupo Michelin no mundo. Teve e tem atuação ligada à seringueira em vários países, como: China, Tailândia, Indonésia, Malásia, Camboja, Brasil, Guatemala, Colômbia, Panamá, México, Costa Rica, Nigéria, Gana, Costa do Marfim e Libéria, participando de pesquisa, consultorias oficiais, gestão de plantações industriais, implantação de tecnologia (Diagnóstico de Látex, campos de clone, etc). Em sua vida profissional, manteve relações e parcerias com institutos de pesquisas de vários países (CIRAD, INRA, IRD) e brasileiros (UNESP, IAC, EMBRAPA). É atualmente diretor técnico da Planthec, onde assessora seringais em toda a América Latina, principalmente na Guatemala, colômbia e em todo o Brasil.  
     
   
Dr. Gilberto Alvares dos Santos  
Advogado da G. AMBIENTAL & CRÉDITO DE CARBONO / ES  
Advogado, sócio-fundador do escritório Gilberto Álvares & Advogados Associados, Fundador do Instituto INCERI, com foco em desenvolvimento de Relações Comerciais e Internacionais Sustentáveis. Formado pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, com área de atuação em Direito Econômico, Aduaneiro e Tributário. Especializações: MBA em Direito Econômico pela FGV/RJ, Pós-Graduação em Direito e Processo do Trabalho pelo Instituto Abel de Almeida/ES e Especialização Internacional em Teoria da Integração Regional - Comunidade Econômica Européia - CEE, Mercosul e ALADI.  
     
   
Edson Bassan  
Diretor Técnico da BASSAN LÁTEX / SP  
Presta serviços de consultoria desde a agroindústria (seringais e usinas de látex) até os transformadores do látex em artefatos no Brasil, Colômbia , Argentina e Guatemala. Pequenas, médias e grandes indústrias de vários tipos de artefatos de látex (luvas, preservativos, balões, materiais esportivos, hospitalares, adesivos, brinquedos, espumas, palmilhas, lençóis, etc). Pesquisando e desenvolvendo novas formulações, processos e aplicações em vários setores da indústria. Treinamentos e cursos presenciais e online.  
     
   
Edson Luiz Furtado  
Professor Associado da UNESP Botucatu / SP  
Engenheiro Agrônomo pela FCAV/Unesp (1982). Especialista em Heveicultura pela FCAP-Belém-PA (1985). Mestre em Fitopatologia pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ-USP), em 1992, e doutor em Fitopatologia, também pela ESALQ-USP, em 1996, foi bolsista CNPq nestes cursos. Livre-docente pela Faculdade de Ciências Agronômicas de Botucatu, da Unesp (2015). Vice-chefe do Departamento de Defesa Fitossanitária. Diretor Presidente da Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, por dois mandatos consecutivos (2012-2014, 2014-2016). Diretor Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da UNESP (Fundunesp). Presidente da Associação Paulista de Fitopatologia (APF) e membro da Sociedade Brasileira de Fitopatologia. Prêmio Paulista de Fitopatologia em 2014. Editor-chefe do periódico Summa Phytopathologica. Membro do corpo editorial de vários periódicos da área de atuação, é pesquisador 1-B do CNPq. Professor nas disciplinas de Microbiologia e Patologia Florestal, do curso de Engenharia Florestal (FCA/UNESP), Credenciado nos cursos de PPG-Proteção de Plantas, e PPG-Ciência Florestal, no qual foi Coordenador e Vice-Coordenador. Desenvolve pesquisa em Fitopatologia, nas áreas de Patologia Florestal, Epidemiologia, Manejo e Controle de Doenças em espécies arbóreas. Formação de recursos humanos em todos os níveis e ativa produção científica e inovação.  
     
   
Evaldo Peral Rengel  
Diretor Técnico da APROB / GO  
Possui graduação em Agronomia pela Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (USP/ESALQ, 1979) e pós-graduação em Agricultura Tropical (1991), em Proteção de Plantas (1992) e em Irrigação e Drenagem (1993) pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Atuou como professor do curso de Agronomia na Universidade Estadual de Goiás (UEG), de 2009 a 2013, nas áreas de produção de sementes e culturas florestais, e como engenheiro agrônomo do Banco do Brasil por 15 anos. Atualmente, ocupa o cargo de diretor técnico da Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins (Aprob-GO/TO). Consultor em armazenamento de grãos desde 1997, tem experiência como produtor rural de arroz, milho, soja, tomate industrial, sementes de feijão, laranja e borracha natural.  
     
   
Floriano Pastore Jr.  
Professor Adjunto da Universidade de Brasília - UnB  
Professor de Química Tecnológica do Instituto de Química da Universidade de Brasília, trabalha desde 1995 na criação de tecnologias de produção para o extrativismo do látex da Amazônia, para que aquele seringueiro tenha trabalho e renda por sua importância como guardião da floresta. Mais recentemente, passou a estudar os alergênicos do látex e propôs uma solução brasileira, inédita, através do uso de tanino para inativar as proteínas do látex, responsáveis pelo problema mundial que aflige mais de 10% dos profissionais de saúde. Concluiu seu doutorado (UnB, 2017) com a proposta de usar uma só formulação química para resolver dois problemas do látex: a substituição da amônia na proteção, desde a produção no campo, e tornar os artefatos de látex, tais como luvas e camisinhas, não alergênicos. A grave situação atual dessa questão de saúde coloca em grave risco a produção internacional do látex de borracha natural, abrindo caminho para os derivados sintéticos. Pelos resultados dos testes em escala piloto, já se tem boa sinalização quanto à questão da amônia, enquanto o problema dos alergênicos depende de resultados de experimentos de laboratório especializado a serem iniciados imediatamente.  
     
   
Gustavo Henrique Marquim Firmo de Araújo  
Coordenador de Comercialização e Abastecimento da SPA / MAPA / DF  
Engenheiro-agrônomo pela Universidade Federal de Lavras – UFLA (1994), com pós-graduação em Fruticultura Comercial (UFLA, 1999), mestrado em Gestão do Solo e Água (Universidade de Brasília - UnB, 2006) e especialização em Gestão de Agronegócios (UnB, 2009). É Auditor-Fiscal Federal Agropecuário, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, desde 2003; iniciou no Serviço de Análise de Risco de Pragas, da Secretaria de Defesa Agropecuária e; desde 2005, passou a atuar no Departamento de Comercialização e Abastecimento, da Secretaria de Política Agrícola.  
     
   
Heiko Rossmann  
Diretor da LATEKS / SP  
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV, 1997) e mestrado em Agronomia (Genética e Melhoramento de Plantas) pela Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (USP/ESALQ, 2002). É diretor geral da Lateks Comunicação (LATEKS) e diretor de Novos Negócios da Lacir Bacelar & Company (LB&Co). É cofundador do portal Borracha Natural (borrachanatural.agr.br), da Natural Comunicação (NATURAL) e criador da Revista Lateks (descontinuada). Exerceu o cargo de diretor executivo da Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (APABOR) por mais de quatro anos, entidade da qual era membro da diretoria desde 2004. Também atuou como consultor sênior da Associação Brasileira de Produtores e Beneficiadores de Borracha (ABRABOR) desde a sua fundação em 2014. Egresso do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG), onde atuou como assessor externo em sistemas web por nove anos. Tem experiência no agronegócio, com ênfase em mercado da borracha natural, e em sistemas de informação.  
     
   
Ivo Cairo Cabral Junior  
Gerente de Pesquisas da MICHELIN / BA  
 
     
   
José Fernando Canuto Benesi  
Diretor Técnico da HEVEA SUPORTE / GO  
Aposentado como Pesquisador Científico da Estação Experimental de Colina – Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Responsável técnico há 30 anos na implantação de projetos agrícolas, principalmente de Seringueira, nos Estados de Goiás e Tocantins - Brasil, dos grupos Morais Ferrari, Agropecuária Vera Cruz – OL Látex, Agropecuária Braoios, Agropecuária Gissara, Agropecuária Serra Dourada e Agropecuária São Francisco, além de outros projetos menores. Vice Presidente da Associação dos Produtores de Borracha Natural dos Estados de Goiás e Tocantins - APROB. Viagens de estudo e pesquisa na área agrícola, principalmente de seringueira, no ano de 1.987 na Costa do Marfim – África, nos anos de 1.994 e 2.005 na Malásia, Tailândia, Indonésia, Índia, Singapura e em 2010 nas áreas de plantio de seringueira na Guatemala. Conferencista no 100º Congresso da Indústria de Borracha e Látex em Puerto Vallarta – Jalisco – México – Outubro 2005; no Congresso Internacional Cauchero – Producíon de Material Vegetal em Bogotá – Colômbia -2009; no Congresso Internacional Cauchero em Vila Vincenzo – Colômbia – 2010; no Congresso Internacional Cauchero em Vila Vincenzo – Colômbia – 2011; no I Congresso Brasileiro de Heveicultura – Guarapari - Brasil – Outubro de 2010, em São José do Rio Preto - Brasil – Junho de 2015; em Goiânia - Brasil – Novembro de 2017.e em Belo Horizonte - Brasil – Novembro de 2019; entre outros. Publicação de artigos completos sobre Seringueira intitulados “Clone de seringueira para o cerrado. Ciência e pesquisa, 2002”; “Desenvolvimento e produção de clones de seringueira sob diferentes sistemas de sangria em condição de cerrado da região de Barro Alto e Goianésia. Boletim Técnico da Embrapa Cerrados, 2002”; “Perfil socioeconômico da heveicultura no município de Poloni Publicação de 2 livros, intitulados: “Sangrador e Sangria de Se  
     
   
Marcos Roberto Murbach  
Diretor Técnico da USINA SÃO MANOEL e da SANTA HELENA AGRÍCOLA / SP  
Engenheiro Agrônomo, MS e DC em Agronomia.  
     
   
Marilúcia Soares Gomes  
Técnica Administrativa - MÚTUA / SP  
Técnica Administrativa  
     
   
Nádia Delarmelina  
Heveacoop  
Cooperativa dos Seringalistas do Espírito Santo – HEVEACOOP Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) - (2010) Mestrado em Economia (UFES) (2014) Atualmente é Diretora Secretária da HEVEACOOP  
     
   
Pedro Arlindo Oliveira Galvêas  
Pesquisador Científico da EMBRAPA / INCAPER / ES  
Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal do Espírito Santo (1980) e mestrado em Genética e Melhoramento pela Universidade Federal de Viçosa (1987). Atualmente é pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, desde 1981, lotado no Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, INCAPER, Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Quantitativa, em que trabalhou com oleícolas (tomate, cenoura, batata e pimentão), culturas alimentares (feijão e milho), fruticultura (coco, maracujá e mamão). Atua principalmente nos últimos 20 anos, com os seguintes temas: silvicultura de espécies florestais de produção comercial (seringueira, eucalipto, pinus e pau-brasil) e silvicultura com espécies para reflorestamento ambiental.  
     
   
Rachel de Sá  
Chefe de Economia da RICO / XP Inc. / SP  
Mestre em Economia Política Internacional pela London School of Economics, mestre em Economia pelo IDP, e graduada pela PUC-SP, Rachel tem experiência no setor de consultoria e pesquisa, e atuava como economista sênior e gerente de política públicas para o Governo do Reino Unido no Brasil antes de entrar para o mercado financeiro. Rachel também foi colaboradora da consultoria Economist Intelligence Unit (EIU), e editora e cofundadora do portal Terraço Econômico. Rachel atua hoje como Chefe de Economia da Rico, empresa do grupo XP Inc.  
     
   
Reynaldo Lopes Megna  
Presidente Executivo da ABIARB / SINDIBOR / SP  
Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios pela USP. Acumula mais de 20 anos de atuação como gestor de negócios e projetos, no Brasil e no exterior. Foi servidor público na área de desenvolvimento econômico, ciência, tecnologia, trabalho e educação. Atualmente, exerce as funções de Presidente Executivo na Associação Brasileira da Indústria de Artefatos de Borracha – ABIARB, do Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha e da Reforma de Pneus no Estado de São Paulo – SINDIBOR, de Diretor Executivo da Associação das Empresas Reformadoras de Pneus no Estado de São Paulo – ARESP e Diretor na Federação das Indústria do Estado de São Paulo – FIESP. É membro do Conselho Estadual de Trabalho, Emprego e Renda do Governo de São Paulo, da Coalizão Digital SP ABC e da Câmara Setorial da Borracha Natural do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.